Área/Módulo: Ciências Agrárias (Pôster)
985

EMERGÊNCIA E CRESCIMENTO DE PLÂNTULAS DE PINHÃO MANSO (Jatropha curcas L.) SOB DIFERENTES NÍVEIS DE SALINIDADE
GEORGE ANDRÉ DE LIMA CABRAL 1,3, MARISLANE CARVALHO PAZ DE SOUZA 1, ANTONIO FELIX DA COSTA 3, BRUNO GALVEAS LAVIOLA 4, JULIO CÉSAR MARANA 5, ÉDERSON AKIO KIDO 6
1. UFPE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, 2. UFPE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, 3. IPA - INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO, 4. EMBRAPA CERRADOS - EMBRAPA CERRADOS, 5. EMBRAPA CERRADOS - EMBRAPA CERRADOS, 6. UFPE - UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
geolimma@gmail.com

O Brasil tem um enorme potencial para uso do biodiesel em sua matriz energética. O pinhão-manso (Jatropha curcas L.) apresenta sementes com teor de óleo variando entre 33 - 38%, e potencial para produzir óleo acima de 1.200 kg.ha-1. Entretanto, para que J. curcas, seja uma alternativa na expansão da fronteira agrícola, dois problemas devem ser confrontados: a salinidade e a salinização dos solos. O objetivo deste trabalho foi verificar o crescimento e a capacidade de emergência de plântulas de J. curcas em diferentes níveis de salinidade no substrato. O experimento foi realizado em casa de vegetação no Instituto Agronômico de Pernambuco ? IPA, a partir de 560 sementes de sete acessos elite, oriundos do programa de melhoramento genético da Embrapa Agroenergia ? Brasília. Cada acesso foi submetido a quatro tratamentos (sem salinidade; 50 mM; 100 mM e 150 mM de NaCl) aplicados no substrato (areia lavada, previamente peneirada e autoclavada), em delineamento em blocos ao acaso, com vinte repetições para cada condição experimental. Foi calculado o percentual de emergência e o índice de velocidade de emergência (IVE), que foi determinado pela razão entre a soma do número de plântulas que emergiram diariamente e o número de dias decorridos entre a semeadura e a emergência. As plântulas foram medidas com 48 DAS. Para o cálculo da área foliar foi usada a fórmula do produto entre a largura e comprimento do limbo (L×C). No tratamento de maior salinidade, o acesso [266-II-4] apresentou maior IVE (1,86) e percentual de emergência (70%), seguido do acesso [133-II-2] (1,48) (65%) e acesso [137-II-1] (1,42) (50%). No geral, em todos os tratamentos os acessos [127-I-5] e [104-I-3] apresentaram os menores valores de IVE, percentual de emergência e medidas de crescimento. O acesso [266-II-4] apresentou valores médios superiores na altura e área foliar nos tratamentos de 100 mM NaCl e 150 mM NaCl, enquanto o acesso [137-II-1] apresentou maior média de diâmetro do caule nestes tratamentos. Os resultados deste trabalho podem fornecer subsídios para estudos com estes acessos elite, de potencial para uso em programas de melhoramento.Palavras-chaves:  Desenvolvimento vegetal, Estresse salino, Germinação, Produtividade